terça-feira, 19 de abril de 2011

Estradas (Zé Geraldo)


Trago no meu peito ardendo em chamas
pés descalços sobre a lama
que cobriu nossos caminhos
Desconheço qualquer traço de esperança
que o abraço da lembrança
faça renascer sozinho
Esse corpo magro e mal-tratado
Esse cérebro calejado
quer abrir os corações
E acabar de vez com a inquietude
que emudece a juventude
Que divide as gerações
Nós viemos juntos de outras eras
semeando primaveras
que não tardam florescer
Acumulando uma força invisível
num processo irreversível
pra não ser mais preciso ver
A calada da noite mostrando homens cabisbaixos
Caminhando sob o olhar perplexo da madrugada
Perguntando onde vão dar
os atalhos dessa nova era
Essa nova estrada
Essa estrada vai passar
pela Vila da Boa Esperança
Vai cruzar o Município dos Homens de Fé
Vai fazer da Certeza o seu Arraial
Na Cidade dos Jovens Sem Medo
vai fazer o seu ponto final

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CAIXINHA DE PROMESSAS